“Bacalhau” … c/o melhor de trás-os-montes

10269495_863269033699310_6739476129682896162_nmiranda20douro20internacional
“Bacalhau com todos” e p’ra todos é o que se pode dizer da iniciativa que vai ter lugar por estes dias, em Miranda do Douro. Numa palavra é a tradição e a gastronomia portuguesa no seu melhor. Tanto mais que junta ao tradicional “Bacalhau” quer os melhores azeites e vinhos de trás-os-montes, quer ainda os cheiros e sabores da cozinha transmontana e ainda se quiserem, a saborosa e afamada “batatinha” das terras de Chaves.

A “Semana Gastronómica do Bacalhau” evento que digamos assim, já criou raízes, tem lugar de 26 de abril a 4 de maio e atrai adeptos do “fiel amigo” mas também à “sui generis” e acolhedoras “terras de Miranda”.
É por isso que a cada edição, maior é o numero de amantes “del Bacalao” sejam por portugueses ou espanhóis, muito por força da qualidade e diversidade dos pratos apresentados pelos restaurantes aderentes, quer ainda pela organização na qual estão envolvidos e em sintonia a Associação Comercial e Industrial de Miranda do Douro e a Câmara Municipal, a que em boa hora se veio juntar, a Confraria do Gastronómica do Bacalhau, de Ílhavo, contribuindo não só para a promoção do evento mas também desse verdadeiro “ícone” da cozinha portuguesa que é o Bacalhau, independentemente da forma como é confeccionado e levado à mesa. Comer bem e desfrutar das paisagens “con el Duero a sus pies” é o que não pode perder e por isso venha daí à …

mirandadouro-cm
Semana Gastronómica do Bacalhau
Miranda do Douro de 26 abril a 4 de maio

humm “alheira” é a de Mirandela

Mirandelamirandela2_n
A iguaria inventada pelos judeus como artimanha para escapar às malhas da Inquisição é hoje não só, uma referência histórica mas também uma marca identitária da “princesa do Tua”. A “Alheira de Mirandela” com Denominação de Origem Protegida (DOP) parte integrante e, de peso na economia desta cidade do nordeste de portugal é, além do mais, um produto de presença “obrigatória” de todos quantos gostam de partilhar os prazeres da cozinha transmontana, à volta de uma mesa, com familiares e (ou) amigos, que o mesmo é dizer, gostam de bem receber, apanágio aliás, das gentes desta região do luso território.Cc01/14

E se “Alheira é rainha” na Feira que tem lugar dias 8 e 9 de março em Mirandela, “pagens” bem podem ser uma série de outros produtos locais, como Vinhos, Azeites, as compotas, as ervas aromáticas, diversos enchidos, que significam dedicação, esforço, sustento de inúmeras pessoas e famílias, nesta região do país, mas também satisfação, qualidade, tradição para muitas e muitos daqueles que preferem comprar o que é único, natural, genúino no quadro de uma europa e mundo tendentes a dizimar ancestrais diferenças e especificidades.

“Alheira de Mirandela”
Enchido tradicional fumado, cujos principais ingredientes são a carne e gordura de porco, a carne de aves (galinha e/ou peru) e pão de trigo, o azeite e a banha, condimentados com sal, alho e colorau doce e/ou picante. Em opção também podem ser usados outros ingredientes como a carne de animais de caça, a carne de vaca e o salpicão e/ou o presunto envelhecidos. A sua aparência tradicional é a forma de ferradura, cilíndrico, sendo o interior constituído por uma pasta fina na qual se apercebem pedaços de carne desfiadas e cujo invólucro é constituído por tripa natural, de vaca ou de porco.

mirandela cm
Feira da Alheira de Mirandela
Mirandela (Parque de Exposições) dias 8 e 9 de março

Tradição e Sabores apresentam-se em Miranda

sabores miranda

1544443_623286554399691_1369838883_nsabores miranda

Miranda do Douro já prepara mais uma edição do «Festival de Sabores Mirandeses» que tem lugar nos dias 14, 15 e 16 de Fevereiro-2014.

Um evento em que tradição, cultura bem como a gastronomia da região transmontana vão estar em grande evidência.
A tradição ainda é o que era pelo que o “Fumeiro” é cabeça de cartaz neste certame de extrema importância para a economia do concelho e região, já que constitui a oportunidade dos agricultores do concelho escoarem e ao mesmo tempo darem a conhecer o produto que ao longo do ano produziram, mantendo não só as tradições no fabrico como a qualidade do Fumeiro.

O «Festival dos Sabores Mirandeses» é ao mesmo tempo o momento de tomar contacto e conhecer uma das “lhénguas” mais antigas e singulares de todo o luso território – o Mirandês.

Curadinho e pronto a degustar está então o fumeiro, os roscos , os sôdos, a bola doce …Ah e a inconfundível “Posta Mirandesa” na brasa …de comer e pedir mais !!! Cc12/13
Miranda do Douro e a região transmontanta é conhecida pela qualidade das suas carnes com denominação de “Origem Protegida (DOP) desde a vitela mirandesa com a famosa posta, o cordeiro mirandês a que se junta o porco com todos os seus derivados. E numa refeição à boa maneira transmontana não poderá faltar também o bom vinho que na região se produz.

Não desperdice nem o tempo nem a oportunidadde de tomar contacto e conhecer uma das “lhénguas” mais antigas e singulares de todo o luso território – o Mirandês.

Tome então nota na sua agenda:
mirandadouro-cm
«Festival dos Sabores Mirandeses»
14, 15 e 16 de fevereiro 2014
Miranda do Douro

Macedo… de “caçadores” no terreno e no prato!

Fotor0117235335
A caça é um desporto, um hobby, um negócio mas será também uma verdadeira festa para os amantes da modalidade. E se lhe acrescentarmos a componente turistica como é caso das potencialidades e muitas são, de Trás-os-Montes e Alto Douro então estão reunidos os ingredientes para uma verdadeira e grande Festa dos Caçadores e simultaneamente uma não menos importante Feira de Caça e do Turismo, que o Parque Municipal de Exposições de Macedo de Cavaleiros acolhe entre 30 de janeiro e 2 de fevereiro.

Falar da XVIII Festa da Caça e do Turismo, em Macedo de Cavaleiros é referir todo um conjunto de e
lementos que fazem deste um certame, efectivamente grandioso e único em todo o luso território.
Entre as várias componentes da iniciativa organizada pela Câmara Municipal de Macedo estão por exemplo uma já tradicional e concorrida Montaria ao javali, bem como um leilão desta espécie que povoa o território transmontano. Um Encontro de Caçadores de toda a região nordeste de portugal, em primeira edição onde não faltam treinos e provas de tiro com arco é outros dos atractivos deste evento. Mas como concelho e região com potencialidades turisticas que é, em Macedo não vai faltar a oportunidade de debater realidades, investimentos, mercados emissores e turistas para os segmento Caça/Turismo de Natureza. Cc01/14

Rica é também a gastronomia transmontana, refira-se com e sem caça, mas essa é igualmente uma mais valia económica deste concelho e região, pelo que ingredinte forte do cartaz deste Festa da Caça, dos Caçadores e do Turismo será sem margem para dúvidas o roteiro gastronómico do javali, que tem lugar durante todos estes dias nos restaurantes aderentes.

Macedo de Cavaleiros estará em Festa bem como a Caça neste salto de janeiro para o segundo mês de 2014.
Quer seja apreciador da caça, no terreno ou no prato não deixe de se munir das respectivas e adequadas “armas”…Venha daí sentir e viver Tras-os-Montes.

Logótipo Macedo de Cavaleiros7

XX Festa dos Caçadores
XVIII Feira do Turismo/ Feira da Caça
Pavilhão Municipal de Exposições e restauração local
Macedo de Cavaleiros entre 30 de janeiro e 2 de fevereiro

“Romaria” ao presunto e fumeiro do Barroso

phpThumb.phpmo2bc

A rainha das Feiras do Fumeiro está aí com data e local marcados – 23 a 26 de janeiro em Montalegre.

O fumeiro e o Presunto da região do Barroso são os protagonistas daquela que é a mais concorrida e animada feira do fumeiro no luso território. A hotelaria e restauração locais são “invadidas” por gente vinda dos quatro cantos de portugal e mesmo da vizinha Espanha. E se a feira do belo presunto e do fumeiro, variado mais ou menos doce é o motivo de encontro de habituais e novos compradores, já a gastronomia regional é razão forte para que, familias inteiras, grupos de amigos reais e até então alguns virtuais, se sentem à mesa para trocar ideias, debater projetos, partilhar experiências e histórias que aquecem depois à roda da lareira ou da fogueira …na companhia do pão, do vinho, dos petiscos … E desta prova, uma vez no ano, surge a compra para os restantes dias do calendrário… resultado dessa sintomia entre compradores e produtores/vendedores, daquilo que de melhor se produz em Montalegre e traz o êxito ao certame, cuja fama e proveitto há muito ultraspassou os limites geográficos do concelho, da região do barroso e do próprio país.

A 23.ª edição da “Feira do Fumeiro de Montalegre” está aí… Para uns é o culminar de um ano de trabalho, sendo para outros, quatro saborosos dias de festa do maior cartaz gastronómico da região. A iniciativa é da Câmara Municipal de Montalegre em estreita ligação com o tecido económico local, para quem a gastronomia, os genuinos e inimitáveis produtos endógenos, são tudo e fazem toda a diferença.Cc-12/13

Venha daí à

23.ª edição da Feira do Fumeiro e do Presunto de Barroso
Montalegre (pavilhão de exposições) de 23 a 26 de janeiro

Do Fumeiro… e dos eventos

Fumeiro 2

Fumeiro 2
Fumeiro é a designação que se dá às carnes, regra geral de porco, expostas aos fumo para conservação e secagem conferindo-lhes características únicas. Estas também dependem muito da alimentação dada ao porco, durante a sua criação. Depois vêm também os temperos e por vezes os ingredientes aduzidos por exemplo na preparação dos enchidos como o vinagre, colorau, pimentão ou o arroz, vegetais, outro tipo de carnes ou partes do porco.

Os presuntos e os enchidos vários, desde as chouriças, às morcelas, farinheiras, os paios, as alheiras, na sua grande maioria expostos ao fumo, fazem parte da panóplia de propostas que cada concelho ou região de fumeiro oferece Daí a realização de certames um pouco por todo o território, no decurso do primeiro trimestre de cada ano, procurando assim escoar ou vender a produção do Inverno anterior, quando já está em secagem ou conservação no fumeiro, a produção deste inverno.Cc12/13

Trás-os-Montes com os distritos de Vila Real e Bragança em grande destaque, têm o melhor fumeiro, com especial relevo para os concelhos de Vinhais, Chaves, Boticas e Montalegre e todo o eixo que nos liga à vizinha Galiza. De acrescentar também o concelho de Lamego, alguns concelhos do distrito da Guarda e todo o Alentejo, onde a indústria de fumeiro é parte relevante das economias locais.

Diversas feiras do fumeiro têm então lugar a cada inicio de novo ano, sendo pela sua relevância de assinalar a do concelho de Vinhais, que se assume como “Vinhais Capital do Fumeiro”. Mas antes e por tradição, em janeiro todos os caminhos vão dar à Feira do Fumeiro de Montalegre ou a Boticas que realiza a sua “Feira do Porco e do Fumeiro” . Seguem-se outras não menois tentadoras propostas como a “Feira da Alheira de Mirandela” ou ainda o “Fumeiro” de Vieira do Minho…

Esteja atento à Confraria-Mor e saberá a seu tempo, todas as novidades !

Feira Gastronómica do Porco- Boticas
“Vinhais Capital do Fumeiro” – Vinhais
“Sabores de Chaves”-Chaves
Feira da Alheira de Mirandela
“Feira do Fumeiro” Montalegre

Gastronomia e artesanato mostram “real” trás-os-montes

www.nervir.pt

www.nervir.pt
Promover todo um vastissimo e rico património gastronómico do concelho e da região transmontana é o grande objectivo da «Feira de Artesano e Gastronima » que tem lugar em Vila Real entre 29 de novembro e 1 de dezembro.
A iniciativa que alia o artesanato regional à gastronomia e lhe junta as componentes cultural e de animação é organizada pelo NERVIR em estreita ligação com a Câmara Municipal de Vla Real. E todos os caminhos vão nestes três deo final do mê de novembro como é aliás habitual vão dar ao Pavilhão de Exposições do NERVIR-Associação Empresarial.Cc11/13

É aqui que as tradicionais e inconfundíveis louças de barro preto, entre muitas outras peças artesalmente feitas, mas também o vinho fino ou vinho do Porto como é conhecido mundialmente, os enchidos, os doces onde sobressaem por exemplo as “cristas de galo”, os azeites, os vinhos DOC da mais velha região demarcada do mundo e tantas outras iguarias da gastronomia e doçaria de Trás-os-Montes se podem apreciar, provar e recomendar… Mas em evidência nesta 16ª edição do certame estará igualmente esse magno cartão de visita que é o rio Douro, as belissimas paisagens de vinhedos em socalcos ou ainda a linha férrea que bordeja o rio, salpicado aqui e ali de cais e ancoradouros que dão acesso a locais de turismo e enoturismo, de lazer e habitação bem cmo às inumeras localidades de gentes e tradições sem igual…

Vila Real espera por si para lhe mostrar realidades de sonho, aqui mesmo ao seu alcance.
Vila Real
Feira de Artesanato e Gastronomia
Vila Real de 29 de novembro a 1 dezembro

“Reca D’Aleu”à prova em Vila Real

RecaDaleu

RecaDaleu
O pau vai a jogo que é como quem diz o “Aleu” entra nesta iniciativa de cativar pela boca, quer os Vilarealenses mas também os turistas, independentemente das suas origens ou razões de passagem pela capital transmontana.
Vem isto a propósito da criação de uma nova opção gastronómica na cidade de Vila Real, que por estes dias está à prova, no âmbito do «1º Festival Reca D’Aleu», em nada menos que 12 restaurantes, com um cardápio já de si recheado de bons pratos da cozinha tradicional de Trás-os-Montes a que se junta agora o “Reca D’Aleu”.

Valorizar e chamar a atenção para a riqueza da cozinha regional, onde as carnes de porco são uma das várias referências mas também impsulsionar o negócio da restauração na cidade com esta novidade são intuitos desta iniciativa da Associação das empresas de Restauração que conta com o apoio da Câmara Municipal de Vila Real, que decorre nestes dois fins de semana de 15 a 17 e 22 a 24 de novembro.Cc11/13

O “Reca D’Aleu” é um prato à base da carne de porco a que se juntam outras iguarias da região como as castanhas, os cogumelos, a batata , os grelos e a maçã e curiosamente cuja confeccção demora cerca de 10 horas, deixando na boca um sabor muito especial e único.

O nome não será fácil e para mais na terminologia gastronómica, mas remete-nos para o antigo jogo da “reca” ou “choca” como por cá se designa, jogado com paus e uma pedra – o “Aleu” esse mesmo simbolo que faz aliás parte do brasão de Vila Real.
Vila Real

1º Festival “Reca D’ Aleu”
Restaurantes aderentes de Vila Real dias 15 a 17 e 22 a 24 de novembro

Bragança aposta na “Castanha, Caça e Pesca”

NorcaçaBragança

NorcaçaBragança
A Castanha, a Caça e a Pesca, três das vertentes económicas da região transmontana estão em grande destaque por estes dias, em Bragança no âmbito da «Norcaça, Norpesca e Norcastanha».
A 12ª edição da Feira Internacional do Norte que tem lugar nos dias 31 de outubro a 3 de novembro tem por objectivo promover e valorizar os produtos e recursos desta vasta região, que vão desde a agricultura, à gastronomia, aos recursos naturais, fazendo deste um território de elevado pootencial turístico-económico.

É no Pavilhão de Exposições da Associação Empresarial da Região de Bragança -NERBA, que se centram as atenções, já que por lá se realizam mostras de produtos desde as castanhas, ao mel, passando pelos Vinhos, enchidos, azeites, licores, a doçaria regional e muitas outras iguarias gastronómicas que se podem provar, comprar e trazer para casa. Cc10/13
Em plena época da “Castanha” e a anteceder o tradicional São Martinho não poderiam faltar os “Concursos da Castanha da Terra Fria” e dos tão apreciados “Doces de Castanha” a que se veio juntar um interessante “Concurso de Quadras de S. Martinho, envolvendo os alunos das escolas do concelho de Bragança.
Este certame organizado pela Câmara Municipal de Bragança, em esteita ligação com a Associação Empresarial da Região de Bragança e o apoio do Instituto Politécnico de Bragança e do Turismo do Porto e Norte de Portugal, tem a particularidade de integrar vertentes de informação e sensibilização para a preservação de especies tanto a nível da caça como piscícolas e seus “habitats” naturais como reservas e albufeiras, duas das marcas identitárias aliás da região transmontana.

Toda uma panóplia de equipamentos destinados à prática da Caça e da Pesca, estão obviamente patentes e que melhor local poderia haver para a realização desta Feira, que o coração de uma região com todas as condições para a prática destas duas modalidades tão apreciadas por milhares de pessoas em todo o país e no mundo. Daí a importância do certame e da mostra de serviços e equipamentos turisticos e outros, vocacionados para acolher e servir todos quantos vêm a Tras-os-Montes, em busca deste tipo de actividades desportivas e de lazer, onde o contacto com a natureza acaba por ser nota dominante.

Em paralelo com esta Feira onde os sectores da caça, da pesca e da castanha têm particular destaque decorre a «Semana Gastronómica» envolvendo um conjunto de restaurantes da cidade de Bragança, aderentes à inicitiva. E é por aqui que se prova o saber acolher das gentes locais mas sobretudo, a qualidade e riqueza da gastronomia desta vasta e bela região do luso território. As ementas são assim baseadas na carne de caça e no peixe dos rios e albufeiras, ingredientes aos quais se lhe acrescenta o gosto e valor nutritivo da castanha…

logo_bragançanerba_Logo1
Norcaça, Norpesca e Norcastanha – 12.ª Feira Internacional do Norte
Pavilhão do NERBA -Bragança entre 31 de outubro e 3 de novembro

Sopas e pestiscos p’ra saborear em Santarém…

PETISCOS Santarem13_n

PETISCOS Santarem13_n
TASQUINHAS e Petiscos para todos os gostos e paladares é o menu proposto …

A “Casa do Campino” em Santarém é o “palco” da festa da Gastronomia portuguesa, durante dez saborosos e animados dias. E no âmbito desta iniciativa, todas as atenções estão centradas nas “tasquinhas”, nome pelo qual são conhecidos os restaurantes, instalados na zona das Cavalariças I, IV e exterior, em representaçao das diversas regiões de portugal – Porto e Norte de Portugal, Alentejo e Ribatejo, Algarve, Madeira e Açores, presentes no «Festival Nacional de Gastronomia» neste ano de 2013.Cc10/13

E se os almoços e jantares são apaladados e muito concorridos, o mesmo deverá acontecer no quadro da realização do «VI Concurso Nacional do Petisco e das Sopas» que dispõe de uma oferta muito variada, de paladares e menus, na ordem das cinco dezenas de “pratinhos” ou saborosos Petiscos. “Picar” aqui e ali, saborear os enchidos, provar as várias sopas ou degustar carnes e peixinhos e outras iguarias é o conselho que aqui se deixa…

««Quem com fome for, satisfeito vem … de Santarém !!!»»» tal é o cardápio do maior e mais abrangente evento gastronómico, que tem lugar no luso território.

festival-gastronomia-santarlogo-cm-santarem
Festival Nacional de Gastronomia de Santarém
Casa do Campino de 25 de outubro a 3 de novembro

Castanha é “rainha” na gastronomia transmontana

feiracastanhaVINHAIS

feiracastanhaVINHAIS
A Castanha é “rainha” por este dias em Vinhais, no âmbito da “Festa da Castanha – «RuralCastanea»”, que tem lugar entre 25 e 27 de Outubro, neste concelho transmontano.
E ao redor deste produto de extrema importância para a economia do concelho e de toda a região transmontana, realizam-se diversas iniciativas que não só “celebram” a existência em quantidade e qualidade da castanha, como se promove e divulga a boa gastronomia transmontana, onde a castanha é um dos ingredientes de referência. É bom não esquecer que em tempos, a castanha chegou mesmo a ser substituto da batata, na alimentação das gentes deste recanto luso.Cc10/13

Locais, visitantes e outros bem mais distantes deste concelho, bem lá no norte interior de portugal, têm os olhos postos neste fruto seco e de tons acastanhados, ou mais precisamente no “Assador de Castanha” que se pretende venha a ser reconhecido como “o maior do mundo”, com direito a entrar no “Guiness” – o livro de recordes. Mas para além do magusto que ganha estes contornos internacionais, bom mesmo são os “concursos de castanha” e “doçaria” onde este fruto é de facto imprescindível, a par com a confecção de pratos da cozinha tradicional transmontana, “emprestando-lhe” a castanha, uma textura rija e o seu ar adocicado.
Desta forma se envolve a restauração local, constituindo um excelente “cartão de visita” de Vinhais e das suas potencialidades turistico-gastronómicas.

E “Festa” transmontana que se preze já não dispensa as tradicionais e muito apreciadas “Chegas de bois” mas também a pensar num público bem mais jovem e dado a atitudes radicais, aí estão os passeios de BTT, serranias dentro…

O magno certame organizado pela Câmara Municipal de Vinhais, em estreita ligação com a restauração local, conta ainda com as colaborações da Associação de Desenvolvimento dos Concelhos da Raia Nordestinada e da Arbórea- Associação Agro-Florestal e Ambiental da Terra Fria Transmontana, estrutura que trará a debate a realidade e o futuro do Castanheiro e da Castanha, no ãmbito de jornadas técnicas dirigidas a este setor de actividade e a quem nele se insere.

Divulgar a excelência de um produto “made in” Tras-os-Montes, como é a castanha, promover a sua venda e um maior consumo, nomeadamente enttre as gentes locais, mas também impuslsionar e economia local através das vertentes gastronómica e doceira, além da promoção de Vinhais e desta bela e agradável região, em termos produtos turisticos, são objectivos deste evento que já ganhou lugar de destaque, entre portugueses e espanhóis, quais “romeiros” à «Rural Castanea» em Vinhais.
vinhais0412-br

Festa da Castanha- Rural Castanea»
Vinhais dias 25, 26 e 27 de outubro

Capital da Gastronomia portuguesa é Santarém…

1383880_579975562064124_423233222_n

«O País à mesa» é isso que acaba por ser o certame que tem lugar em Santarém, de 25 de outubro a 3 de novembro.

«Festival Nacional de Gastronomia», que o mesmo é dizer, o luso território, as suas várias regiões turistico-geográficas estão representadas em Santarém, cidade onde são esperadas cerca de 100 mil pessoas, com o intuito de ver, degustar, partilhar, boa parte do que somos, fazemos e sabemos levar ao mundo, em termos gastronómicos. Os saberes e sabores de um povo, com toda as suas carcteristicas, diversidades e tradições locais e regionais está aqui bem patente, neste certame que há 33 anos “assentou arraiais” na capital ribatejana.

Nacionais e estrangeiros conquistam-se também pelo estômago e por isso “dotes” “formação” “qualidade” criatividade” e muito mais, estão à prova naquele que é o maior e mais abrangente evento gastronómico e cultural, pois em destaque muita para lá da cozinha regional lusa, estão aspectos culturais das gentes locais e das respectivas áreas geográfica e turisticamente criadas.

Organizado pela empresa municipal “Viver Santarém”, com o apoio da Entidade Regional de Turismo do Alentejo, o FEstival Nacional de Gastronomia de Santarém tem dias especialmente dedicados a cada uma das Regiões de Turismo.Cc09/13

Dia 25 de outubro – Região de Turismo do Alentejo e Ribatejo, seguindo-se dia 26 a Região Centro, Região do Algarve dia 27, Região de Lisboa já em novembro, dia 1 e por fim a Região Porto e Norte e de portugal – dia 2.

Demonstrações de cozinha ao vivo, com especial enfoque na Dieta Mediterrânica, o Artesanato e muita animação com a participação de ranchos folclóricos, bandas muicais e de grupos de musica tradicional dos quatro cantos do luso território fazem “a festa”

Durante este período de tempo todos os caminhos vão dar a Santarém ou passam pela “capital nacional da gastronomia portuguesa”.
Um conselho aqui fica desde já, e vai no sentido de evitarem a ida no último dia – domingo, pois a afluência será enorme, com os contrtaempos inerentes, a exemplo de anos anteriores.

festival-gastronomia-santarlogo-cm-santarem

Festival Nacional de Gastronomia,
Santarém 25 de outubro a 3 de novembro

“Cebola” é rainha de festa transmontana

Tradicional Feira Cebolas

Vila Pouca de Aguiar vive por estes dias a tradicional «Feira das Cebolas».

Um evento, secular que junta à mostra/venda deste produto do campo, a componente gastronómica com a prova do típico “Caldo de Cebola” mas também a animação cultural, social e desportiva, onde o gado azinino e cavalar ganham lugar de destaque.

Mais de quatro dezenas de produtores, alguns dos quais já vêm à “Feira” há meio século, escoam aqui a sua produção de cerca de 25 toneladas de cebolas a que se juntam outros produtos do campo, como o alho, o feijão, a malagueta e o tomate, nomeadamente. “Tamanho” e “Sabor” são duas das componentes que vão merecer a maior das atenções. O primeiro no âmbito de um concurso que porá em evidência a “Maior Cebola» do certame e algumas chegam a pesar dois quilos!!. O segundo quando se provar e aprovar o “melhor Caldo de Cebola”, caseiro, transformando deste modo o evento, numa verdadeira festa do mundo rural transmontano.

A iniciativa do município de Vila Pouca de Aguiar, decorre entre os dias 22 e 25 de setembro, constituindo oportunidade de dar a conhecer a boa gastronomia e as velhas tradições transmontanas. Daí que, quer o típico “Caldo de Cebola” quer as tradicionais “Desfolhadas” bem como as animadas “Chegas de bois e de carneiros” são atractivos deste cartaz.

Saber receber é apanágio dos transmontanos e por isso não deixe de aparecer…e já agora, sinta-se em casa, viva trás-os-montes!

tradicional «Feira da Cebola»
Mostra/Venda de produtos do Campo
Concursos: “Maior Cebola” e Melhor “Caldo de Cebola»
Vila Pouca de Aguiar de 22 a 25 de setembro

Mirando lo douro… através das adegas de Atenor

rondAdegasatenor13

“Mirando lo Douro” vamos a descobrir que o que parece pequeno bem pode tornar-se grandioso… Está neste caso o evento que coloca os olhares em Atenor, num plano cimeiro e numa jornada ímpar e deveras interessante, curiosa. Mas será por acaso ? Não, de facto não pois a realidade desta freguesia do concelho de Miranda do Douro, tem tudo a ver com essa “grandiosidade” que são as tradições, os costumes, as belezas naturais, mas também as suas gentes, as vivências da terra, com os saberes e sabores a virar como que brisa no ar…que por lá se respira….e sente no âmbito da “Ronda das Adegas”.

E ao som das gaitas de foles, dos bombos, das vozes e cantares tradicionais vão-se percorrendo esses belos recantos, quais baús da história e das memórias de outros tempos em «Trá-los-montes». Botam-se a chouriça, o salpicão ou alheira a assar, prova-se do vinho, corta-se o pão e logo se passa ao parceiro de mesa…para tirar o seu naco… e enquanto não fica pronto o petisco, aprecia-se o queijo de ovelha que a ti Amélia preparou como só ela sabe…num “ritual” repetido anos a fio … O mel esse é para fim de “festa” com velhos e novos amigos, presenciais que dos virtuais nada ou quase, vale esperar…

Ah e tanto temos para conversar como a aprender, com as gentes deste interior que embora esquecido, prefere erguer-se e afirmar-se pela diferença, dizer-se vivo e disposto a ter futuro … com os de cá e por quem por cá passa e alguns são, os que regressam pela terceira vez, tal o número de edições da «Ronda das Adegas em Atenor» …

A iniciativa desta terceira edição, repetirá por certo o êxito de anos anteriores, muito por força da genuinidade da aposta que agrega Junta de Freguesia de Atenor e Câmara Municipal de Miranda do Douro, mobilizando as gentes locais naquele que é um verdadeiro cartaz turístico do concelho e região transmontana.

mirandadouro-cm
Ronda das Adegas de Atenor (aldeia e freguesia do concelho de Miranda)
Miranda do Douro: 7 a 9 de junho